Navegar por categoria

Datas Especiais

Datas Especiais

Dia dos Professores

 

 

O brilhante educador Paulo Freire dizia: ‘’ Ser professor e não lutar é uma contradição pedagógica’’.

Como não lutar!?

(…)

500 professores pediram exoneração da rede estadual do Rio de Janeiro, somente em agosto de 2014.

A cada dia, aproximadamente 8 docentes concursados evadem da rede pública em São Paulo, por falta de motivação.

No município de Niterói (RJ), nos últimos 3 anos, 1792 professores solicitaram licença médica.

Os exemplos acima constituem um quadro histórico de desvalorização dos profissionais de educação: baixos salários, condições precárias de trabalho, falta de um plano de carreira mais atraente, turmas superlotadas, divisão da carga horária em diferentes unidades escolares, um modelo escolar hierarquizado que não os protagoniza – configuram alguns aspectos que representam um projeto de educação oposto ao defendido pelo Reconsidere.  Uma escola pública, gratuita e de qualidade.

Vive-se no magistério e em outras funções do chão da escola um ciclo de adoecimento. As péssimas condições apontadas influenciam significativamente para que os professores evadam da docência, e ainda por cima, acabam sendo cruelmente responsabilizados pelo fracasso escolar. É o cenário da culpabilização da vítima e a busca pela isenção da responsabilidade das instituições e suas respectivas gestões, no que diz respeito ao demérito escolar.

O modelo escolar obsoleto que vivemos, configurado como lugar de passagem, em sua lógica produtivista que burocraticamente se cumpre e pouco se vive, irá receber cada vez mais um professor que também estará de passagem, onde o magistério se tornará apenas uma etapa momentânea até que se encontre uma função/cargo/profissão de maior prestígio e valorização. Não obstante, o número de jovens interessados em seguir a carreira do magistério diminui a cada ano.

No dia dos professores há pouco o que comemorar e muito a se inquietar.

É necessária uma luta concreta, pedagógica, unificada entre os profissionais de educação, estudantes, famílias e todas as pessoas indignadas para que esse cenário atenue.

O professor é um semeador da esperança, da transformação do micro e do macro, onde sua ação rompe os muros da escola. Se bem formado, com boas condições de trabalho o seu potencial multiplicador cresce significativamente.  São agentes fundamentais na formação crítica-reflexiva de jovens que irão ler o mundo não como espectadores, mas como agentes transformadores da sua realidade e da construção de uma sociedade mais humana, mais horizontal, mais respeitosa e que solidariamente possamos conviver.

Sonhamos com o dia em que, enfim, iremos celebrar o dia dos professores.